26 de out de 2014

Jorge Furtado no Festival do Rio

Integrando a programação do Festival do Rio, no dia 27 de setembro o diretor Jorge Furtado falou um pouco sobre seu trabalho como diretor, sobre cinema e TV.
Nascido em Porto Alegre, Furtado abandonou a faculdade de medicina para dedicar-se à arte cinematográfica. Para ele, o cinema é uma linguagem que não necessita de pré-requisitos para ser compreendida, pois os códigos da imagem possuem uma leitura universal.
O diretor falou ainda dos limites do cinema e da linguagem audiovisual: a forma – retangular, a duração, o custo e o trabalho de equipe. Ele critica diretores que colocam nos crédito de suas produções “um filme de”, pois o filme é uma produção coletiva, existem muitas pessoas envolvidas na sua produção e execução.
Como diretor de produções audiovisuais para TV e cinema, Furtado comentou que a diferença entre as duas linguagens não está no modo como são produzidas, mas na forma como são assistidas: ver filme no cinema é uma ação coletiva e possui uma tensão e atenção diferenciada de quando se assiste TV e cita uma fala irreverente de Louis Buñuel defendendo que “o filme deve respeitar a inteligência e a bexiga do espectador”. De forma breve, foram apresentados os elementos da linguagem cinematográfica: personagem, cenário, enquadramento, luz, duração, movimento, som, falas, ação dramática, plano e corte. Ele ainda insere um décimo segundo elemento que seria o parafilme, ou seja, qualquer tipo de informação prévia que o espectador tem sobre o filme.

                                                                            Jorge Furtado. Foto: Conrado Krivochein

Jamila Guimarães

Nenhum comentário: